Além de palestras de conscientização, serviços de emissão de documentos foram oferecidos no local

Foto: Karla Mendes/Sejusc

 

Na manhã desta segunda-feira (13/5), a população do município de Iranduba (a 36 quilômetros da capital), participou de palestras de conscientização sobre violência doméstica durante a ação de cidadania “PAC em Movimento”, promovida pelo Governo do Amazonas, por meio da Secretaria de Estado de Justiça, Direitos Humanos e Cidadania (Sejusc).

 

A atividade aconteceu na Escola Municipal Ana Barbosa de Castro e atendeu 83 pessoas para primeira e segunda via de RG, e 58 pessoas para serviços de emissão de certidão de nascimento e casamento.

 

Na palestra, foram abordados os vários tipos de violência contra a mulher, como a física, moral e psicológica. De acordo com a secretária da Sejusc, Caroline Braz, ações de prevenção fazem parte das políticas para mulheres adotadas pelo órgão.

 

“O intuito do Governo do Estado, por meio da Sejusc, é agir antes que a violência aconteça, com foco na prevenção”, destaca.“Nossas políticas atuam na articulação de oportunidades, para que mulheres conquistem cada vez mais a independência financeira, e, com isso, a liberdade de escolha”.

 

Parceria

 

A ação contou com a parceria da ONG Girassol, movimento social que há 12 anos atua com atividades de conscientização contra violência. Atualmente, a ONG tem 12 representantes que passaram por situação de violência doméstica e hoje compartilham suas histórias de superação.

 

A presidente do grupo, Francinete Maia, de 41 anos, considera importante a realização de ações de cidadania no interior do Estado.

 

“A nossa organização já realizou ações em 16 pontos de Manaus e Região Metropolitana, sempre em parceria com órgãos e representantes do Estado”, ressalta. “Nessas ações, nós constatamos que a população do interior também se interessa pelo tema, principalmente as mulheres, que precisam conhecer seus direitos”.

 

Acolhimento e apoio

 

A Sejusc oferece, além de palestras e abordagens de conscientização, acolhimento e apoio para as vítimas de violência doméstica. Em suas unidades, o órgão oferece atendimento social e psicológico, orientação jurídica, além da condução da vítima ao Instituto Médico Legal (IML), acolhimento provisório e acompanhamento no Centro Estadual de Referência e Apoio à Mulher (Cream).